quarta-feira, 21 de setembro de 2016


Laguna - Capital Nacional dos Botos Pescadores





 Pesca Artesanal com ajuda dos Botos Pescadores

De Laguna vem um belo exemplo de cumplicidade entre homem e animal. 
Quando os golfinhos ajudam pescadores a encher a rede de tainhas, a parceria vira um espetáculo para encantar turistas.
Quando os golfinhos dão o sinal, as tarrafas começam a cair em seqüência. É na temporada da tainha, que a parceria se torna mais freqüente e os pescadores passam o dia inteiro na água à espera dos cardumes trazidos pelos golfinhos. Com o auxílio dos golfinhos, os pescadores chegam a capturar mais de 80 tainhas de uma só vez. A convivência cria intimidade e cada golfinho é chamado pelo nome. “Os pescadores conseguem não só identificar os indivíduos, mas quais os comportamentos que eles estão fazendo que indicam a presença ou não de peixes na área. Esse nível de interação é único e ocorre somente na Lagoa de Santo Antônio”. Em 1997, os golfinhos foram declarados patrimônio natural de Laguna.






PARCERIA ENTRE HOMEM E ANIMAL

Não se tem precisão sobre o início da pesca com o auxílio dos golfinhos em Laguna. Sabe-se que é secular. Os pescadores mais antigos dizem que por volta de 1930 já existiam golfinhos velhos como Fandango, Chinelo, Judeu, Rampeiro, Alumínio, Cego, Boto Branco, Cisne Branco, Cisne Pequeno. Daí por diante foram se multiplicando. A cada ano de 3 a 5 novos golfinhos habitam a lagoa. A partir da década de 50 os golfinhos mais velhos foram misteriosamente desaparecendo, e surgindo outros novos. como Galha Torta, Galha Cortada, Marusca, Prego, Riscadeira... Os golfinhos da lagoa são identificados como ruins e bons. Os ruins são aqueles que não se aproximam da costa, e os bons são aqueles que auxiliam os pescadores nos diversos pontos de pesca.




Vídeo da pesca com auxilio dos golfinhos produzido pela BBC
Vídeo: All credit goes to the BBC. This clip was taken from the Human Planet episode "Oceans - Into The Blue".


Os Golfinhos de Laguna. - Inteligentes e brincalhões

Conhecidos popularmente como nariz de garrafa (tursiops truncatus), integrantes da família dos golfinhos flipper, possuem cabeças e corpos robustos, o bico é curto, largo e distinto da cabeça. A nadadeira dorsal é em forma de foice, as nadadeiras peitorais são pontudas. Os olhos são grandes. A coloração do dorso é cinza escuro e no ventre claro. A mandíbula é maior que a maxila. Possuem aprox. 50 pares de dentes lisos e poucos afiados. Seu habitat natural é o estuário do rio Tubarão e lagoas do complexo lagunar.





Características dos Golfinhos

Como todos os Cetáceos, são animais que respiram ar diretamente, mas adaptados a viverem na água, pois conseguem ficar submersos de três a sete minutos, dependendo da sua espécie. Tem corpos de forma afuniladas e pele lisa. No lugar das patas anteriores, o golfinho tem barbatanas; no lugar das posteriores, têm uma poderosa cauda em forma de Y. Esta se move em sentido vertical e não lateralmente como nos peixes, funcionando de maneira muito parecida a de um poderoso remo. A maior parte dos golfinhos tem barbatanas dorsais amplas e em forma de foice, que, provavelmente, os ajuda a mantem-se perpendiculares a água, embora algumas espécies, inclusive todas as de água doce, não possuírem. As características mais significativas dos golfinhos são suas compridas mandíbulas, que formam a típica cara bicuda, em cuja boca existem aproximadamente duzentos dentes. O período de reprodução é de dois a três anos. Os filhotes ficam ao lado da mãe até os dois anos, quando alcançam sua independência, iniciando sua caçada por alimentos sozinhos. Sua respiração é por um orifício na parte superior da cabeça, a curva da cara confere aos golfinhos uma expressão de sorriso.


Laguna, Santuário dos Golfinhos



https://www.youtube.com/watch?v=q_PefAyLk2I

Não se engane, chame um Condutor Cultural Credenciado.
Consultas e Agendamentos:
(48) 99948 - 2224 - receptivolaguna@hotmail.com





domingo, 7 de agosto de 2016

LAGUNA- O PASSADO SEMPRE PRESENTE



UM MUSEU A CÉU ABERTO

Antes mesmo da colonização do Brasil, Laguna já era citada no Tratado de Tordesilhas por sua posição geográfica sobre a linha imaginária que dividia o mundo. Com a proclamação da República Catarinense viu surgir sua maior heroína, Anita Garibaldi. Toda essa história densa de fatos marcantes, alternados por momentos de progresso e estagnação, está retratada pelo casario do Centro Histórico preservado. As ruas são na verdade, um grande museu a céu aberto, onde é possível apreciar, conhecer e entender a história e a cultura desse povo através das diferentes arquiteturas, pelo traçado das ruas e pela sua paisagem natural. As características de cada estilo de arquitetura refletem um momento da história, as necessidades de moradia, o poder econômico, os costumes e a cultura de cada época. Você pode conhecer e sentir a história de Laguna percorrendo as ruas do Centro Histórico e acompanhando os percursos onde estão marcadas as edificações mais representativas de cada época. Laguna mantém preservados em sua área central testemunhos edificados que ilustram uma história densa de fatos marcantes. Com períodos de progresso alternados com momentos de estagnação, a cidade ainda apresenta um excepcional acervo arquitetônico e paisagístico protegido pelo IPHAN desde 1985. A riqueza de seu patrimônio construído, aliado à beleza de seu sítio natural, apresentam um grande potencial para o turismo histórico e cultural. A cidade é um grande museu a céu aberto, em que o acervo está exposto ao longo das ruas.





ESTILOS ARQUITETÔNICOS DE LAGUNA


PERCURSO LUSO-BRASILEIRO
A vila de Santo Antônio dos Anjos da Laguna foi fundada em 1676 pelo bandeirante paulista Domingos de Brito Peixoto. Principal porto da região sul, foi utilizado primeiro como entreposto das operações militares de expansão das fronteiras e depois como exportador da produção de gado no séc. XVIII. No início as casas eram muito simples, geralmente de pau-a-pique cobertas de palha. Com a elevação de povoado para vila, e a vinda de famílias dos Açores, entre 1749 e 56, as ruas começam a ser definidas com as novas casas de adobe e pedra que são construídas nos seus limites. O comércio do gado traz o desenvolvimento e surgem assim os sobrados próximos ao porto. A história desta fase, da colonização à meados do séc. XIX pode ser observada principalmente pela arquitetura luso-brasileira que se concentra em um dos primeiros núcleos, a Praça República Juliana. As casas eram muito simples, geralmente uma porta e duas janelas ao rés do chão e telhado aparente. Esta tem vergas em pedra, uma exceção da maioria, em madeira; Eram construídas em lotes de pequena frente e grande profundidade, germinadas umas às outras, formando um corredor contínuo. Os quartos ficavam sem iluminação, as famosas alcovas. Os telhados eram duas águas, sem calhas, mas com cimalha; Tinham um aspecto austero e sem decorações. A fachada era marcada pela cimalha do beiral do telhado e pelos grossos cunhais, como este. As paredes tinham em média 50 cm de espessura. Nas residências mais importantes, além da pedra e barro, era usado o óleo de baleia.



LUSO-BRASILEIRO – Edificações austeras, sem decorações, marcadas pelas cimalhas nos beirais. O conjunto de casas forma um corredor contínuo, seguindo a formação da rua. Os telhados são visíveis com cobertura em telha cerâmica, na sua maioria em duas águas, as paredes caiadas, salientadas pela coloração (verde/azul/ocre/vinho) das janelas em guilhotina e portas ao nível da rua.




PERCURSO ECLÉTICO
A exportação do carvão e outros produtos pelo porto de Laguna no final do séc. XIX possibilitou a concentração de riqueza da população, gerando transformações na cidade. A vinda de imigrantes alemães e italianos contribuiu nesta mudança e na produção de uma nova arquitetura: o ecletismo. Este estilo arquitetônico faz uma reinterpretação de elementos do passado, misturando e produzindo uma arquitetura carregada de ornamentações e decorativismo das fachadas. Surgem nesta época: os trens de carga e passageiros, os primeiros automóveis, ônibus urbanos, ruas calçadas e iluminação pública, com lampiões a querosene. A praça da Igreja ganha tratamento com jardim, chafariz, palmeiras e iluminação. A cidade viveu uma intensa vida cultural e social. Todo o fervor e riqueza desta época podem ser observados através do casario eclético.
Estas novas construções tem um porte bem maior, com uma implantação diferente: entrada pela lateral através de escadas e jardins. Continuam alinhadas junto da rua, mas a liberação das laterais gera possibilidades de arejamento e iluminação, desaparecendo as alcovas e fazendo surgir os primeiros banheiros. O novo estilo, o ecletismo, tem um forte decorativismo presente em todos os detalhes. As construções adquirem uma grande sofisticação com os produtos importados. Passam a ter platibandas para esconder o telhado, porões altos e janelas com bandeiras em massa decorativa. As fachadas passam a ser revestidas de massa com motivos decorativos; as paredes construídas de tijolos e cal, com maior precisão e menor espessura; São utilizados vidros decorados com motivos florais, e surgem as primeiras venezianas e telhados de quatro águas.



ECLÉTICO As casas começam a ter entradas laterais, com portão. As paredes com revestimentos com massas decorativas, os telhados não mais visíveis, encobertos pelas platibandas. Aparecem os balcões entalados e os decorados, e fachadas com excesso de adornos.




PERCURSO ART DECO
A partir de 1920 o porto de Imbituba começa a ser organizado, pois possuía melhores condições de navegação. Laguna perde a competitividade, e a crise não foi maior devido à concentração comercial, de serviços financeiros e públicos. Entre os anos de 1930 e 50 desenvolveu-se uma arquitetura com influências art deco. Este estilo retrata a modernidade e a era da máquina, rompendo com o passado e com inspirações no futuro. Com a construção da BR 101 nos anos 70, ocorre a possibilidade de uma nova atividade para a cidade: o turismo. O crescimento do número de turistas estimula a especulação imobiliária, tanto nos balneários como no Centro Histórico. Casas térreas e sobradas do séc. XVIII começam a ser substituídos por novas construções, alterando a paisagem. Preocupados com a preservação deste patrimônio o Iphan tombou em 1985 o Centro Histórico de Laguna. As construções em estilo art deco, utilizam principalmente linhas geométricas, com formas bem simplificadas; As linhas retas são utilizadas em toda a fachada, nas aberturas e nos detalhes, rompendo com o decorativismo e com o passado. Continuam alinhadas junto à rua, mas desaparecem os jardins laterais e porões; Tem a frente bem mais valoriza que os fundos, e surge a edícula habitável. Nas esquinas as construções geralmente eram “arredondadas”, diminuindo o impacto visual. O Cine Teatro Mussi é um dos melhores exemplares desta fase, com seu interior decorado ainda preservado.




ART-DECO – Surgiu como uma transição entre o Ecletismo e o Modernismo. caracteriza-se pela limpeza e pela simplicidade das ornamentações em formas geométricas, As platibandas recortadas sem elementos decorativos, apenas linhas retas e em alto relevo.Como o Luso-Brasileiro, mantém o alinhamento com a rua.




ROTEIRO TURÍSTICO CULTURAL





PRINCIPAIS PONTOS TURÍSTICOS.


CENTRO HISTÓRICO






Em 1984 o centro de Laguna é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, com aproximadamente 700 casas e diversos monumentos que retratam a preservação da identidade Nacional. Não só as edificações foram tombadas, mas a vegetação de entorno e parte da Lagoa Santo Antônio.




IGREJA MATRIZ DE SANTO ANTÔNIO DOS ANJOS









Construída em 1676, sua fachada em estilo toscano e seus altares em barroco mineiro, florentino e tertuliano. A imagem de Santo Antonio, o padroeiro de laguna, foi esculpida em cedro, e veio da Baia. O interior da igreja e ornado em ouro.




TRATADO DE TORDESILHAS








Monumento simbólico do ponto de referência no acordo que dividiu as terras brasileiras a oeste para Espanha e leste para Portugal.




FONTE DOS NAMORADOS








Água mineral que brota da argila Caulim, com propriedades para funções respiratórias e digestivas. Marco inicial do desenvolvimento urbano de Laguna. Até hoje a população, mantêm o costume de todos os dias buscarem água para abastecimento de suas famílias.




MUSEU DE ANITA GARIBALDI













Construído em 1747, serviu de Casa do Governo e cadeia pública, das janelas foi declarada a República Juliana. Possui um rico acervo de utensílios indígenas, armamentos de guerras, móveis e pratarias do século 18.



MONUMENTO A ANITA GARIBALDI










Laguna é a terra natal de Ana Maria de Jesus, hoje conhecida como Anita Garibaldi, que representa o amor, o caráter e as lutas libertárias.




CASA DE ANITA GARIBALDI









Primeira casa construída a base de pedras areia e óleo de baleia, recebe esse nome porque recebeu Anita durante seu primeiro casamento, De Anita possuem a tesoura um pouco de terra do mortuário de Anita, retratos e medalhas conferidas a Heroína dos dois Mundos.




DOCAS DO MERCADO PÚBLICO









Local onde estava situado o antigo Porto de Laguna, também usado como principal local de recebimentos de produtos que eram comercializados ali mesmo, desde o interior das canoas.





CITY TOUR








Laguna, Bella e Santa Catarina






Não se engane, caminhe com quem conhece Laguna.
Chame um Guia/Condutor credenciado.



Consultas e agendamentos.
Whats (48) 99482224.
receptivolaguna@hotmail.com



Fonte de pesquisa












domingo, 3 de janeiro de 2016

TEMPORADA DE VERÃO 2016 Garopaba - Santa Catarina - Brasil

TEMPORADA DE VERÃO 2016

Garopaba - Santa Catarina - Brasil




Não há dúvidas de que Garopaba, com suas belas praias e um leque de atividades turísticas, entretenimentos de lazer e hospedagens, é o melhor destino turístico no litoral sul da bela e Santa Catarina.
Especialmente famosa pela oportunidade de atividades náuticas e passeios marítimos; com um comércio voltado ao turismo, com portas abertas durante grande parte da noite; bares restaurantes e casas de shows madrugada a dentro.

                                                                                                                  
                                                                     

                                                                                                                                            


Passeios Marítimos.

De Garopaba a Ilha de Santa Catarina - Florianópolis

Naufragados

ROTA: 
Pontas: da Gamboa, da Pinheira, de Naufragados e da Andorinha.
Ilhas: do Coral, do Papagaio, três irmãs e dos Moleques.
                                                                                                                                                                                                 


ROTEIRO 

Praia de Naufragados 


A praia mais agreste e exótica da Ilha de Santa Catarina - Trilhas, Farol, Rio e Piscinas Naturais. 
A praia conta apenas com a natureza e alguns bares de moradores locais, que servem bebidas e  pratos típicos de pescadores a turistas que passam o dia lá.


8:30h Saídas da enseada de Garopaba
10h Desembarque  na praia de Naufragados. 
15h Embarque de retorno. Parada para banhos de mar no ilhote do Siriú.
17:30h Chegada em Garopaba















PARADAS PARA BANHOS DE MAR!

MUITA ALEGRIA E DIVERSÃO!


                                                                                                                                                                              
A EMBARCAÇÃO



A embarcação tem capacidade para 48 passageiros, habilitada pela Capitania dos Portos, com banheiro, água e som.  

Possui tripulação capacitada em segurança de passageiros, equipamentos, requisitos de segurança e instrumentos de navegação exigidos pela Marinha do Brasil.






INFORMAÇÕES E RESERVAS 



BASE CANGULO
Rua Manoel de Araújo, 236.
Centro Histórico de Garopaba.
Garopaba - Santa Catarina/BRASIL
Fones (48) 99482224 / 91037266.
E-mail - roteiro.sul@hotmail.com